INFORMO A TODOS MEU NOVO ENDEREÇO:

http://kinocrazy.blogspot.com

AGUARDO A VISITA DE VOCÊS!!!

Amigos, como vocês podem ver a página voltou ao ar, mas sem as fotos e os cartazes que com tanto carinho e dedicação selecionei da net. Claro que eu poderia repô-las, mas e o tempo para isso? E a paciência? E depois quem me garante que o ocorrido não voltará a acontecer? O fato é que essa última que o UOL me aprontou, depois de 10 anos de assinatura e sem nunca ter atrasado um pagamento, me deixou desanimado, cansado, estressado. Foi tudo muito desgastante mesmo. Não sei se terei disposição para retomar a aventura de blogar. Os próximos dias serão de reflexão, para decidir o que farei. Mas a vida sempre traz compensações. Hoje por exemplo vi uma vitória redentora do meu São Paulo (agora vai!). Em seguida fui assistir o belíssimo Alila, do Amos Gitai, com incríveis planos-sequências executados pela câmera de Renato Berta. Tenho para ver ainda vários filmes japoneses que gravei do Telecine. Sem falar nos filmes que troquei neste sábado com o amigo Ricardo (http://bakemon.zip.net). Aliás, recomendo à todos que dêem uma olhada no seu acervo, localizado na lista de links, é fantástico! Já assisti dois, e ainda faltam um do Kaneto Shindo, um do Kinji Fukasaku e um do Teruo Ishii. Um dos que vi, O Gato Preto (Yabu no naka no kuroneko) do Shindo, é razoavelmente conhecido, comento então rapidamente (não consigo resistir) Otoshiana aka The Pitfall. O que começa como um semi-documentário sobre as difíceis condições de vida dos trabalhadores braçais assume ares metafísicos a partir do momento em que o espírito de um trabalhador assassinado passa a acompanhar as investigações para se descobrir o motivo de sua morte. Dirigido por Hiroshi Teshigahara, com roteiro de Kobo Abe e música de Toru Takemitsu, o genial trio de A Mulher de Areia, Otoshiana, pelo inusitado e pela vitalidade demonstrada após 43 anos de sua realização, acaba se tornando o melhor filme que vi este ano!!!

Bom, amigos, é isso que tenho a dizer no momento. Abraços a todos!

TERUO ISHII

Fiquei sabendo do passamento do Ishii no excelente blog do amigo Ricardo “Bakemon”, já que nossa imprensa nada divulgou. Teruo Ishii foi um dos inúmeros cineastas nipônicos descobertos pela crítica paulistana entre os anos 50 e 70 (para saberem mais dessa história leiam meu post do dia 25/04). Em sua homenagem republico a relação com alguns de seus filmes exibidos entre nós, acrescido de mais dados biográficos. Descanse em paz, Mestre!

                                

(01/01/24-12/08/05) – Nascido em Tóquio. Início na Toho como assistente, e depois na Shintoho como assistente de direção de Mikio Naruse e Hiroshi Shimizu. Estréia como diretor em 1957 com um filme de boxe: Ring no oja: eiko no sekai. Em seguida dirige 6 episódios da série Super-Giants, com heróis uniformizados enfrentando invasores do espaço. Após a falência da Shintoho em 1961 ele vai para a Toei onde, nesse mesmo ano, dirige Hana to arashi to gang, encontrando seu ator-fetiche, o grande Ken Takakura. Em 1965, sempre com Takakura, dirige Abashiri Bangaishi, cuja trama se passa numa prisão do norte do Japão. O sucesso foi tão grande que gerou 18 sequências, 10 das quais dirigidas por Ishii. Cansado dessa rotina, ele segue um novo caminho. Buscando inspiração nas obras de Edogawa Rampo (pseudônimo de Taro Hirai), ele cria o gênero erótico-grotesco (ero-guro). Um dos filmes mais célebres desse período é Edogawa Rampo taizen: Kyofu kikei ningen aka The Horror of Malformed Men, que chegou a ser proibido no Japão. Na década de 70 dirige vários filmes de karatê com Sonny Chiba e sobre gangues de motoqueiros. Nos 80, com a crise  da indústria cinematográfica japonesa, vai trabalhar na televisão, e também faz filmes para o mercado de vídeo. Em 1993 retorna ao cinema com Gensenkan Shujin, inspirado na obra de um ícone do mangá, Yoshiharu Tsuge. Seu último filme foi  novamente uma adaptação da obra de Rampo, Môjuu tai Issunbôshi, em 2001. Deixou um projeto inacabado: uma transposição para o Japão de Era Uma Vez na América, de Sergio Leone, que teria  no elenco, claro, Ken Takakura. Faleceu de câncer no pulmão.

Estratagema de gângster (Daiakuto sakusen) - 66

O agente secreto 101 (Shinka 101 – koroshi no yojimbo) - 66

A 30 graus abaixo de zero (Abashiri bangaichi  ketto reika sanjudo)-67

Luta na nevasca (Abashiri bangaichi: fubuki no toso) - 67

O harém do shogun (Tokugawa onna keizu) - 68

Temeridade de bandoleira (Hidirimen bakuto) - 72

Fidelidade traída (Gendai ninkyoshi) - 73

Golpe mortal (Chokugeki jigoku-ken) - 74

A estrela de faraó (Chokugeki jigoku-ken dai-gyakuten) - 74

Voando sobre rodas (Bakuhatsu bosozoku) - 75

Evasão em massa (Daídatsugoku) - 75

Juventude impulsiva (Boso no kisetsu) - 76

                                 

                                       Kyofu kikei ningen

NOVOS LINKS

Inclui vários links. Todos excelentes.

Ásia Cinema - O Luiz Gustavo finalmente colocou no ar seu site especializado em cinema asiático. Tem notícias, entrevistas, críticas, sinopses, trailers, filmes, legendas. Estou dando uma modesta colaboração no site.  Prestigiem a iniciativa dele, que vale   a pena. Parabéns, Luiz!!!                                                               

http://www.asiacinema.cjb.net

Diário de um Cinéfilo – E é mesmo um diário, pois quase todo dia o cearense Aílton Monteiro publica um comentário novo sobre filmes que assistiu. Seu texto é enxuto, informativo, agradável. Recentemente o Aílton ultrapassou o número de 100.000 visitas no seu blog!!! Merece.                                                               

http://cinediario.blogspot.com

O Olho de Hochelaga – Direto de Hochelaga, como Montreal era conhecida antes da chegada dos franceses, o Milton do Prado nos traz sua visão privilegiada e original sobre cinema. Privilegiada porque ele tem acesso a filmes que nós, aqui no Brasil, só veremos daqui há muito tempo (vide Last Days). Quanto ao original basta ler, por exemplo, seu comentário sobre A Fantástica Fábrica de Chocolate, do Tim Burton, e você entenderá.

http://olhodehochelaga.zip.net

7arte – A Sétima Arte, em seu nível mais elevado, é o que você vai encontrar no blog do potiguar Marcos A. Felipe. Ele dá conta, em exaustivas e com freqüência brilhantes resenhas, da obra de alguns dos maiores gênios do cinema: Visconti, Antonioni, Tarkovski,  etc.                                                                                            

http://7arte.zip.net

Tudo o que a boca come – O título já deixa clara a proposta antropofágica do blog do Ricardo, deglutindo do melhor que a CULTURA pode nos oferecer: boa música, boa literatura, boa fotografia...                                                                                         

http://tudoqueabocacome.zip.net

 

 

 

 

OZU, MIZOGUCHI E JAPONESES NO TELECINE

Às vesperas do segundo ciclo de filmes japoneses na Rede Telecine, algumas (poucas) considerações sobre os filmes exibidos de Ozu e Mizoguchi.

- Quem estava acostumado aos filmes do Ozu da década de cinquenta deve ter se surpreendido: em seus primeiros filmes ele até que movimentava bastante a câmera, com panorâmicas e travellings. Já em Filho Único começa a definir seu estilo: tem um plano de um canto vazio da casa que dura quase 1 minuto. Nada mais moderno. De resto encontramos em todos: os planos de detalhes, os postes, as roupas penduradas no varal, os bondes, os garotos insolentes.

- Em A Perdição de Osen fica claro que Mizoguchi já em 1935 se aventurava no plano-sequência. E me pareceu haver também influência do expressionismo alemão, sobretudo Fritz Lang.

E programem-se para a retrospectiva Cinema Japonês Pós-Segunda Guerra:

No Telecine Classic, sempre às 21 hs.

Segunda, 22 – A Vitória das Mulheres – Kenji Mizoguchi

Terça, 23 – Batalha de Rosas – Mikio Naruse

Quarta, 24 – A Volta de Carmen – Keisuke Kinoshita

Quinta, 25 – Hakuchi, O Idiota – Akira Kurosawa

Sexta, 26 – Também Fomos Felizes – Yasujiro Ozu

Sábado, 27 – Vinte e Quatro Olhos – Keisuke Kinoshita

Domingo, 28 – Harakiri – Masaki Kobayashi

 

No Telecine Emotion continua o Cinemundi Especial: Japão Atual

Hoje, 23:40 hs – Adrenalina Máxima – Takeshi Kitano

Amanhã, 23:00 hs – Serenata da Lua Cheia – Masahiro Shinoda

Sábado, 27, 23:00 hs – A Enguia – Shohei Imamura

Domingo, 28, 22:30 hs – Verão Feliz - Takeshi Kitano

 

 

 

 

[ ver mensagens anteriores ]



Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, Homem, de 36 a 45 anos, English, French, Cinema e vídeo, Arte e cultura